• Caminha

    Caminha

    Mar, montanha e rio unem-se num singular cenário natural com vista para região espanhola da Galiza. Caminha é um mosaico de paisagens, detentora de uma botânica ímpar, surgindo a Serra D’Arga e a Mata Nacional do Camarido – com as suas quedas de água e piscinas naturais – como cenários de visita turística obrigatória.

    São diversos os habitats naturais aqui visíveis, graças aos sapais, juncais, galerias ripícolas e bancos de areia existentes. A lontra e o salmão destacam-se nesta região, tal como uma grande diversidade de aves, entre as quais se encontram a Garça-Branca e a Garça-Real, o Borrelho, o Corvo-Marinho, o Pilrito ou a Rola-do-Mar, bem como vários tipos de patos e gaivotas.
    ~
    Caminha é também sinónimo de praia! Em plena foz do Minho, Moledo é das zonas balneares mais prestigiadas do país num panorama que envolve igualmente as praias de Vila Praia de Âncora e do Forte do Cão. Além dos seus belos areais, todas se destacam pelas suas caraterísticas terapêuticas, dada a grande concentração de iodo que representam.

    Esta região sobressai também pelas suas zonas fluviais de recreio, sobretudo onde a tranquilidade do Rio Coura – descendo até ao Rio Minho –, propicia a prática de diversos desportos náuticos, como o ski, a canoagem, o remo ou simples passeios de gaivota e de barcos de recreio.

    Ao nível gastronómico, as freguesias do litoral, próximas ao mar e aos rios fazem emergir o peixe fresco como a truta, o salmão, o sável, o robalo, o linguado, a sardinha ou a solhas. Já no interior, de cariz agrícola, são privilegiados os pratos de carne – sobretudo de porco – mas também o cabrito.

    Caminha mostra ainda a sua doçura com sobremesas caraterísticas: o Leite-Creme e o Arroz Doce são de prova obrigatória, tal como a pastelaria local envolvendo os Caminhenses, as Mokas, as Roscas e os papudos.

    Visite Caminha e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • Viana

    Viana

    A cidade dourada pelas suas filigranas. Gerações de artífices desenvolveram esta técnica capaz de transformar poucos gramas de ouro em finas joias de rara beleza, constituindo atualmente um dos principais cartazes turísticos da região.

    A riqueza de Viana não se restringe às suas filigranas. Envolve muitas outras vertentes, entre as quais está o seu quadro paisagístico natural, desde logo com o imperial Monte de Santa Luzia que recebe, bem lá no alto, a Basílica do Sagrado Coração de Jesus – inspirada na Basílica do Sacré Coeur de Paris –, proporcionando uma visão global sobre a cidade, sobre o estuário do Rio Lima e sobre o mar.

    Detentora de uma gastronomia riquíssima, Viana do Castelo tem forte laços com o bacalhau, já que era daí que os bacalhoeiros partiam para a Terra Nova e para a Gronelândia, pescando por longos períodos de tempo, regressando depois com esse pescado que se enraizou nas suas tradições à mesa, sendo cozinhado das mais variadas formas.

    Além do bacalhau, muitos outros pratos trouxeram fama a esta região minhota. O Arroz de Pé Descalço ou Pica no Chão, os Rojões à Moda do Minho, o Arroz de Sarrabulho e o Cabrito surgem com destaque na generalidade dos menus, nos quais a Lampreia e o Polvo mantêm igualmente fortes tradições. Fama vincada também no verde dos seus vinhos. Branco, Tinto ou Rosé, destacam-se sempre as castas Loureiro e Vinhão.

    Por aqui, a doçaria regional é de tal variedade que levantará dúvidas na hora da escolha. As Meias-Luas, o Leite-Creme, o Arroz Doce, a Torta e os Biscoitos de Viana, os Sidónios e as Santas Luzias são doces exemplos que não deverá deixar de provar.

    Visite Viana do Castelo e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • Arcos

    Arcos

    O verde da sua paisagem é a principal caraterística desta região localizada no noroeste peninsular, em pleno Alto Minho, tendo Viana do Castelo como capital de distrito e, bem perto de si, as cidades de Braga – a 36 km – e do Porto – 90 km.

    O verde da sua paisagem é a principal caraterística desta região que tem no rio Vez o espelho natural de toda a sua rica História e que está integrada no complexo montanhoso do Parque Nacional da Peneda Gerês, apresentando um vastíssimo património natural por entre serras e planícies.

    Com nove séculos de História, esta vila agrega um assinalável conjunto de monumentos históricos surpreendentes, englobando castelos, igrejas, ermidas, torres e pontes, representando toda uma cronologia envolvente às antigas civilizações, tornando-se, por isso, obrigatórias as visitas ao Santuário da Nossa Senhora da Peneda, ao Soajo e ao Ermelo.

    Esta é uma terra de bem-comer, na qual o vinho verde, em geral, e o Alvarinho, em particular, surgem neste âmbito como as principais bandeiras da região, na qual o cabrito, que é cozinhado das mais variadas formas, ganhou destaque nas ementas turísticas.

    Visite Arcos de Valdevez e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • MONÇÃO/MELGAÇO

    MONÇÃO/MELGAÇO

    Aqui, estamos em plena rota dos vinhos verdes de Portugal. Estas duas localidades fazem parte da Região Demarcada nacional, encontrando-se, ambas, inseridas num singular habitat natural que lhes confere caraterísticas únicas que estão na origem do seu principal emblema – o Vinho Alvarinho.

    Também aqui, a gastronomia surge classificada como património nacional, tendo como base usos e costumes que elevam os produtos locais a um patamar de excelência. Os peixes e, em especial, a lampreia tornam-se manjares imperdíveis, cabendo-lhe a difícil tarefa de escolher qual a especialidade a provar: o Arroz de Lampreia, a Lampreia à Bordalesa, a Lampreia seca assada na brasa, o Sável frito acompanhado com a típica Broa de Milho frita, as Trutas do Rio Minho ou o Salmão grelhado.

    Também os pratos de carne granjeiam enorme tradição nestas terras. O Cordeiro à moda de Monção, assado em forno de lenha, o Cabrito Assado no forno do pão, o Sarrabulho, o Presunto de Fiães e Castro Laboreiro e os enchidos vários desta região são iguarias que perdurarão na sua memória.
    A acompanhar, naturalmente, o Vinho Alvarinho e os doces típicos como o Bolo da Pedra e os Pastéis Mimosos.

    Visite Monção e Melgaço e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!






  • Gerês

    Gerês

    A natureza é o principal cartaz turístico do Gerês!

    Um quadro natural de montanhas moldadas pelos tempos e cursos de água cristalina que alimentam a riquíssima fauna e flora da região. Verdadeira terra de bem-estar estampada no seu Parque Natural que foi a primeira área protegida implementada em Portugal.

    Aqui ganharam fama global os seus tratamentos termais e consequentes benefícios para a saúde, envolvendo o tratamento de maleitas relacionadas com o fígado e vesícula, diabetes, hipertensão, reumatismo e obesidade.

    O estabelecimento termal do Gerês é atualmente uma estrutura remodelada e reequipada, estando dotado com modernas técnicas termais, podendo afirmar-se, sem margem para dúvidas, que estas termas são das principais e mais frequentadas do país.

    Além destas vertentes, a região do Gerês é igualmente reconhecida pela sua gastronomia tradicional, apresentando um menu em que o seu cabrito e a vitela barrosã surgem no topo das especialidades, às quais se acrescentam ainda o javali, o bacalhau e o polvo cozinhados à lagareiro.

    Visite o Gerês e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • PORTO

    PORTO

    Banhada pelo rio Douro, é a segunda maior cidade portuguesa, destacando-se pela sua beleza urbana que, de forma perfeita, faz a ligação entre antigas e novas arquiteturas.

    O Vinho do Porto é o seu maior emblema mundial, sendo inevitável a sua degustação em qualquer uma das várias caves existentes na cidade, para as quais estão diariamente programadas visitas guiadas especialmente direcionadas aos turistas.

    Apesar das grandes superfícies comerciais que disponibiliza, o Porto é igualmente uma cidade de comércio tradicional. A Rua de Santa Catarina, na zona baixa, é nesse contexto o seu local de referência, aí pontificando algumas das melhores lojas da cidade, estando também aí localizado o mais emblemático e esplendoroso dos cafés portuenses – o Majestic.

    Numa visita ao Porto seria imperdoável não conhecer a Sé Catedral, que se carateriza por ser um dos primeiros monumentos na cidade, a Igreja e Torre dos Clérigos, que surge como outro dos principais símbolos da cidade, o Museu Soares dos Reis, repleto de arte nacional, e a moderna Casa da Música, sempre com uma vasta programação cultural disponível.

    Rica também ao nível gastronómico, constituem pratos de degustação obrigatória as Tripas à moda do Porto e as Francesinhas – pratos perfeitos para serem complementados com algumas das várias sobremesas tradicionais da cidade, entre as quais o Arroz Doce e o Creme Queimado.

    Visite a cidade Invicta e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • Douro

    Douro

    Séculos de trabalho na terra transformaram os solos áridos e rochosos do Douro em férteis fileiras de socalcos e de vinha, levando a UNESCO a classificá-la como Património da Humanidade.

    O Vinho do Porto é o emblema mor desta região, impulsionando a sua evolução ao nível turístico, dado o seu desenvolvimento ordenado e sustentado, num processo que sempre privilegiou a qualificação e a valorização ambiental.

    A região do Douro é atualmente o principal foco turístico do norte de Portugal, sendo inesquecível a sua exploração através de um passeio de barco ou pelo caminho-de-ferro, a bordo do comboio histórico.

    Aqui estamos em plena rota do Vinho do Porto, sendo irrecusável uma entrada nas várias quintas que têm as suas portas abertas aos visitantes para um conhecimento mais aprofundado da arte vinícola ou, simplesmente, para uma prova dos seus vinhos aí produzidos: Vinhos brancos – suaves e frutados. Vinhos Tintos – mais intensos, de cor rubi e com aroma a flores e frutos. Vinho Espumante – reservado por anos em estágio e, por isso, de grande intensidade.

    A excelência desta região espelha-se também nas suas tradições gastronómicas. O Douro é sinónimo de caça do monte e de peixes do rio. Enchidos caseiros e o cabrito assado em antigos fornos de lenha alternam o destaque à mesa com as trutas do Varosa, do Balsemão e do Vilar. Simples exemplos entre tantos outros, como os Torresmos de Cinfães, os Milhos da Meda, o Coelho Bravo com míscaros, o Bazulaque de carnes de Tarouca e as Bôlas de Lamego.

    Manjares únicos de sabores próprios, complementados com uma longa lista de doces regionais, baseados em receitas conventuais: os Doces de amêndoa de São João da Pesqueira, as Cavacas de Resende e o Bolo-Rei de Tabuaço, sem menosprezo pelas suculentas frutas dos seus pomares.

    Visite a região do Douro e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • Braga

    Braga

    Braga. Eternizada como a cidade dos arcebispos, dadas as marcas religiosas que se lhe reconhecem ao longo da sua História. Não espanta, por isso, que as comemorações da Semana Santa, na altura da Páscoa, constituam o principal cartaz da cidade, ao nível turístico, afigurando-se mesmo como uma das mais ricas tradições religiosas atualmente realizadas em Portugal.

    Ao nível turístico, seria imperdoável não aproveitar para conhecer o Santuário do Bom Jesus do Monte, tido como dos mais conhecidos e apreciados pelos portugueses, o Santuário de Nossa Senhora do Sameiro e a imagem sua padroeira, trazida de Roma em 1880, ou o Santuário da Falperra, em honra de Santa Maria Madalena.

    Além da vertente religiosa, Braga é igualmente uma região de gastronomia ímpar. Na sua ementa tradicional saltam à vista as Papas de Sarrabulho e o Bacalhau à Narcisa, adoçados, no final, com o Pudim do Abade de Priscos, com os Fidalguinhos ou com os Sameiros.

    Em Braga apreciará também o folclore com as suas danças e cantares tradicionais, bem como o som caraterístico do cavaquinho e da gaita-de-beiços – instrumentos musicais marcantes pela sua singularidade sonora.

    Visite esta cidade e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • Galiza

    Galiza

    Esta é uma das mais belas regiões espanholas localizadas no noroeste peninsular. Na Galiza, Santiago de Compostela é o ex-líbris turístico ao nível religioso, sendo o último passo de um caminho com várias rotas europeias, desembocando precisamente na sua extraordinária Catedral – O Obradoiro.

    Vigo, Corunha, Lugo e Odense são, à parte de Santiago de Compostela, outras das cidades emblemáticas desta região. À parte da vertente religiosa, a Galiza tem muitas outras valias turísticas para oferecer. As Rias Baixas, que ocupam a costa oeste da Corunha e toda a costa de Pontevedra, formam uma paisagem única no mundo, tal como o arquipélago constituído pelas Ilhas Cies – verdadeiro tesouro natural com praias fabulosas, especialmente indicadas para o mergulho.

    Na Galiza come-se sempre bem! São inúmeros os restaurantes e as tabernas tradicionais capazes de facilmente lhe proporcionarem um verdadeiro manjar exclusivamente confecionado com produtos locais.

    Desde logo com o marisco no topo das referências, apesar do polvo ser também petisco obrigatório nesta região, tal como os seus queijos, carnes e sobremesas – refeições acompanhadas pelos seus vinhos locais, com destaque para o Ribeiro e para o Albariño.

    Visite a Galiza e lembre-se que na Rinoterra Minho teremos todo o prazer em orientá-lo pessoalmente ao longo da sua estadia. Esperamos por si!

  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE
  • TERRAS DE BOA GENTE